27 de Ourubro Coliseu Porto

Hora: 22:00
Promotor: UNIVERSAL MUSIC PORTUGAL
Preço: De 15,00 a 24,00€
Idade: M/06

Desde que Diogo Piçarra foi Ídolo da televisão em 2012, soma êxitos, fãs e milhões de visualizações na internet. Os vídeos dos singles ‘Dialeto’ e ‘História’, juntos, já ultrapassam 10 milhões de visualizações no YouTube. ‘D=os’ o seu novo disco está acabadinho de lançar. Em outubro e novembro, é tempo de Coliseus. 2017 vai ser ano de consagração.

Texto: Sofia Canelas de Castro

Fotos: Créditos Arlindo Camacho

“D=os’ lê-se dois e o significado confirma-o: “É o segundo disco, sai dois anos depois do primeiro, fala de nós os dois – eu e a minha namorada – e vai do dois ao duzentos, nome da última música”, resume Diogo Piçarra.

‘História’, o videoclipe do segundo single já revelado do novo disco, foi idealizado e realizado por ele e pelo irmão gémeo, André, e já vai “em três milhões de visualizações”, sinal de que estará “a fazer as coisas bem feitas”. Mais recente ainda é o tema ‘Já não falamos’ que, mal colocado por Diogo na Internet – é ele próprio que gere as suas redes sociais –, disparou: 30 mil visualizações logo nas primeiras oito horas, só para se ter uma ideia do poder de atração do jovem e da sua música.

Diogo chegou mesmo a pensar que depois de vencer o programa da SIC, ‘Ídolos’, em 2012, tudo poderia acabar. “Tive receio, sim. Tinham-me avisado que, depois do programa, estávamos por nossa conta e risco”, recorda o músico de 26 anos, vindo de Faro. Já antes, em 2009, tinha concorrido, “empurrado pelos pais”, e ficara-se pelas eliminatórias. Mas não desistiu…

O risco compensou e 2017 é o ano “da consagração”. Diogo está imparável e tem a agenda cheia até final do ano, com mais de 50 concertos. Depois do primeiro disco, ‘Espelho’ (em 2015), é a vez de ‘D=os’ chegar às lojas, a mostrar “um disco de consagração mas sobretudo uma prova de fogo que é um resumo” da sua relação com a namorada, Mel Jordão, ela que “já é crescidinha e reage bem ao assédio das fãs, algumas muito atrevidas”. Escrito e composto maioritariamente por Diogo Piçarra, o disco tem o rapper Valas e April Ivy como convidados e foi masterizado por Dave Kutch, que já trabalhou com músicos como Beyoncé, The Weeknd ou Justin Timberlake.

Mais para o final do ano, será tempo dos Coliseus (Porto, dia 27 de outubro, e Lisboa, a 3 de novembro) e os bilhetes especiais reservados para os fãs (golden square tickets que permitem um encontro com o músico, um passe VIP e outros mimos) já estão esgotados, a mais de meio ano de distância. “Claro que me surpreende esta adesão mas os fãs já são quase como família e fazem parte desta jornada”, explica. Antes, ainda há o Festival Marés Vivas, em Vila Nova de Gaia (julho) e muitos concertos, galas e até semanas académicas. E agora que este disco já está feito, Diogo Piçarra já está a pensar no próximo. “Estou sempre a pensar no futuro”.

Romântico assumido, é na vida, dele e dos outros, e nas relações, dele e dos outros, que Diogo se inspira, “até nas músicas mais tristes que falam de perda como ‘A Volta’ ou ‘Entre as Estrelas’”. E é nos palcos que se sente mesmo nas estrelas. “Lobo solitário” enquanto está em estúdio a preparar as novas músicas, trabalho que lhe dá “muito gozo”, é nos palcos e em tournée que sente maior prazer. “Nos concertos ao vivo tudo é mais fácil porque já está tudo feito: as músicas, o disco, os ensaios, os vídeos. É só chegar e cantar. E divertir-me!”

MP3
As escolhas que tocam no MP3 de Diogo Piçarra.