BOEING-BOEING É UMA HILARIANTE COMÉDIA SOBRE A VIDA AMOROSA DE BERNARDO, UM GALÃ QUE NÃO TEM UMA NEM DUAS, MAS SIM TRÊS NAMORADAS! ANTÓNIO CAMELIER É QUEM DÁ VIDA A ESTE GURU DO AMOR E A TICKETLINE MAGAZINE FOI CONVERSAR COM ELE. O QUE PODE ESPERAR DESTA PEÇA? ANTÓNIO E BERNARDO TÊM ALGUMA SEMELHANÇA? COM QUAL DAS NAMORADAS BERNARDO DEVIA FICAR? TODAS AS RESPOSTAS ESTÃO NESTA ENTREVISTA. BOEING BOEING VOLTA A ATERRAR EM LISBOA, EM SETEMBRO NO TEATRO ARMANDO CORTEZ, DE QUINTA A SÁBADO ÀS 21H30 E DOMINGO ÀS 18H.

TL Magazine Boeing-Boeing foi escrito nos anos 60 por Marc Camoletti e é um texto emblemático. Sente que integrar este projeto é uma responsabilidade acrescida?

António Camelier Trabalhar enquanto ator é viver repleto
de responsabilidades. Integrar este projeto, mais do que uma responsabilidade, para mim, é um desafi o. Apesar de ter sido vista já por milhares de portugueses, é importante continuar a surpreender, a apaixonar e a estimular as pessoas a irem ao teatro.

Quando soube que iria ficar com a personagem Bernardo qual foi a sua reação?
Fiquei muito feliz porque este projeto significa o meu regresso ao teatro. Vou poder voltar a pisar o palco e logo nesta comédia de portas, que apesar de ter sido escrita nos anos 60, continua muito atual, super dinâmica, ágil e
universal.

Como é trabalhar com este elenco?
É fantástico. Já tinha trabalhado com alguns colegas. É sempre muito prazeroso trabalhar com pessoas que têm uma seriedade tão grande no trabalho. Vive-se um grande entusiasmo, harmonia e cumplicidade. Estamos todos
muito focados em prol do sucesso desta peça.

Há alguma semelhança entre o Bernardo e o António?
Mmm.. Talvez na forma gentil e dócil como trata as mulheres

Em quem ou no que é que se inspirou para interpretar esta personagem?
Procurei saber mais sobre esta obra. É incrível a quantidade de informação que nos chega através de um clique, difícil é filtrá-la. Vi alguns filmes e até adaptações norueguesas. Tendo em conta que a personagem é sobejamente mais velha do que eu, debrucei-me sobretudo na sua fisicalidade, na postura e na sua cadência. O maior desafio que encontrei, foi em empregar essa verdade, coerência e sinceridade.


Na sua opinião com qual das hospedeiras devia Bernardo ficar?

Com a Julieta, porque é a mais certinha.

Sendo que o texto já é conhecido, o que é que o público pode esperar da peça?
Uma hora e trinta minutos de caos!