É conhecido como apresentador, quer na “Prova Oral”,da Antena 3, que faz agora 15 anos, quer em programas de televisão que apresentou como “Curto Circuito”, “5 para a Meia Noite” ou o “Avô Fugiu de Casa”. Mas, por detrás desta figura conhecida do entretenimento português, existe um assumido organizador de eventos. E tudo começou muito cedo, “quando tinha 14 anos comecei a organizar torneios de futebol, mas depois aquilo acabava sempre à porrada e eu achei que devia organizar coisas que acabassem sem alguém magoado”. Aos 17 anos lança-se no seu primeiro evento mais a sério, o Festival Termómetro. “Numa altura em que a MTV tinha o MTV Unplugged, eu achei que também era uma ideia termos versões unplugged em Portugal”, lembra-se. Para além da vertente de mostra de talentos, também atribui prémios aos vencedores. Foi quando, nos primeiros anos, venceram os Blind Zero e os Silence 4 que percebeu que a importância do que tinha criado.

Este foi o ponto de partida para muitas outras aventuras com o Capitão Alvim no leme: “Achei que não devia ser só um animador. Que sou, sou um entertainer. Mas a partir desse momento descobri a minha veia empreendedora e que isso também me diferenciava dos outros”. O leque de ideias que tornou realidade é infindável: Prémios Novos, uma gala de prémios apenas para novos talentos, Golf para Nabos, um torneio de golf para jogadores que nunca praticaram o desporto, ou o Festival Alternativo da Canção, um tributo humorístico ao Festival da Canção da RTP. São apenas exemplos, a lista ainda é mais comprida porque, para Fernando Alvim, “nenhuma ideia vale muito não a executarmos”.

Na maioria dos seus projectos atribui um cunho mais descontraído e divertido do que é normal. Esforça-se para que as pessoas vejam ideias improváveis a tornarem-se realidade. Promete-nos que o ano ainda só está no princípio mas, em Janeiro e Fevereiro, organiza 4 eventos no Cinema São Jorge:

13 de Janeiro – Festival Termómetro – 21h00
Provavelmente o evento mais sério que criou, onde um projecto musical ganhará a oportunidade de tocar no Bons Sons e no NOS Alive. Fernando Alvim levanta o pano sobre a final deste ano do mais antigo concurso de bandas do país: “Este ano, pela primeira vez, vamos ter lugares sentados na final. O que nós achamos é que ao termos lugares sentados a atenção que vão ter sobre as bandas é maior”. CAIO, Planeta Tundra, Jerónimo, Mathilda e quartoquarto são os nomes que nos promete que iremos falar no futuro. E vão partilhar o palco com uma banda convidada, os “Pop Dell’Arte que são uma banda icónica portuguesa”.

28 de Janeiro – Obrigado, Internet! – 17h00
O programa de rádio da Antena 3 entrega, pela segunda vez, os seus prémios anuais, naquela que Fernando Alvim considera ser: a primeira cerimónia que engloba todas as formas de comunicação da Internet actuais: desde o Instagram, ao Youtube, Facebook, Twitter e tudo mais”. Do fenómeno de culto ao palco principal, ambiciona que o “programa de rádio, que é muito divertido e com personalidade, faça anualmente esta cerimónia que é pioneira nos prémios da internet. Com veracidade, racionalidade mas com bastante humor”.

2 de Fevereiro – Conta-me tudo – 21h30
“De um podcast sucesso, gravado para um público de cerca de 150 pessoas para uma sala de 800 pessoas, é uma evolução enorme”, conta-nos confiante. Parece que existe algum atrevimento, mas entre salas esgotadas, “Conta-me Tudo” já contou com convidados ilustres e diversos como Jorge Andrade, Toy, Margarida Rebelo Pinto, Rita Marrafa de Carvalho ou Diogo Faro. “Nós vamos apostar muito nas pessoas que vamos apresentar no cartaz e parece-me que vai ser o grande encontro de histórias em Portugal”. A produtora de Fernando Alvim junta-se assim à equipa de João Dinis, David Cristina e Pedro Górgia para elevar o storytelling.

3 de Fevereiro – Quarto Escuro – 17h00
Considera que “de todas as iniciativas é uma das mais originais. Ninguém sabe quem é que vai actuar mas as pessoas contribuem porque sabem que é para uma boa causa”. O ano passado foi para a Fundação Maria Cristina, este ano todos os lucros revertem para a Operação Nazir Vermelho. Mas, acrescenta, “as pessoas também sabem que o espetáculo será invulgar e de qualidade. O ano passado tivemos pessoas como o Ricardo Ribeiro, a Catarina Molder, a Helena Laureano, o Samuel Úria, a Marcia, o Manuel João Vieira, Bruno Nogueira, Nuno Markl e muitos outros. E quer-me parecer que este ano será tão ou mais surpreendente quanto foi o ano passado”.