Os últimos anos consolidaram o festival O Sol da Caparica como uma das maiores celebrações da música portuguesa, sendo tanto palco de lançamento para novos talentos, como de consagração de alguns dos maiores artistas nacionais. Este ano não é exceção, e o Parque Urbano da Costa da Caparica prepara-se para receber espetáculos imperdíveis.

Jorge Palma: um homem, um piano e uma imensidão de poemas que, ao longo dos anos, se tornaram nalguns dos maiores êxitos da música nacional. Este será, certamente, um dos pontos altos do dia 16 de Agosto, um concerto intimista de voz e piano para uma casa cheia de público a celebrar este enorme artista.

Com mais de 35 anos de carreira e diretamente da cidade Invicta, os GNR vão trazer o que de melhor existe no rock nacional para as “dunas” da Costa da Caparica. A inconfundível voz de Rui Reininho vai juntar-se a todos os festivaleiros num gigantesco coro das canções das nossas vidas.

Falando na cidade Invicta, outro nome incontornável é Miguel Araújo, um dos maiores cantautores nacionais, que se tem revelado um fenómeno ao longo dos últimos anos, atingindo uma popularidade extrema. Vai trazer um pouco dessa sua magia e das suas canções dia 17 de Agosto.

Para os UHF é ano de festa, comemoram 4 décadas de palco e a celebração passa pela Caparica. Um concerto que promete ser especial, repleto de surpresas e convidados de renome, ao som das canções que tão bem conhecemos e que marcaram tantas gerações.

“Vou pró Sol da Caparica”, assim o disseram os Peste & Sida e assim será no dia 16 de Agosto. Estes grandes mestres do Punk Rock nacional também marcam presença no festival batizado pelo seu maior hit, para um concerto cheio de surpresas.

João Gil é, sem dúvida, um dos maiores compositores da música portuguesa, sendo fundador de bandas como o Trovante ou a Ala dos Namorados. Apresenta, no dia 18 de Agosto, um espetáculo com base no seu último disco “João Gil Por…”, que consiste em versões das suas mais célebres canções pela voz de alguns dos maiores intérpretes nacionais, que marcarão presença a seu lado no palco.

Depois de quatro anos sem editar um álbum, os Expensive Soul regressam cheios de força com um disco novo. Os primeiros acordes conhecidos fazem antever um disco cheio de surpresas, mantendo a qualidade a que tão bem nos têm habituado. Com eles a festa é certa, e dia 18 de Agosto não vai ser exceção.

Cesária Évora é dona de um enorme legado e deixa saudade em todos nós. Pela primeira vez, Portugal recebe uma homenagem à “rainha da morna”. Nas vozes de Lura, Nancy Vieira, Elida Almeida e Lucibela, O Sol da Caparica torna-se palco de uma enorme celebração da música cabo-verdiana e do espólio que esta cantora nos deixou.

já nos habituou, Sara Tavares, vai cantar “coisas bunitas” e trazer um pouco dos ritmos cabo-verdianos a todos os festivaleiros. Com álbum novo e uma mão cheia de êxitos tem tudo para encantar todos e para dar mais um grande concerto.

Após um enorme sucesso com uma das maiores e mais aclamadas bandas dos últimos anos, Virgul vinga agora com um enorme sucesso em nome próprio. Dia 16 de Agosto vem, mais uma vez, mostrar à Caparica aquilo de que é capaz.

Outra artista que atinge o sucesso depois de ser cara de uma banda com enorme peso na música portuguesa, é Ana Bacalhau. Dia 18 Agosto vem mostrar o seu “Nome Próprio” ao público d’O Sol da Caparica, o álbum de estreia com que inicia a sua promissora carreira a solo.

Anselmo Ralph tornou-se, rapidamente, na maior referência da Afropop em Portugal, estando assim num lugar de destaque no panorama da música nacional. O cantor de temas como “A Única Mulher” e “Não Me Toca” marca presença no festival dia 16 de Agosto.

Carminho é, sem dúvida, uma das maiores vozes do fado e tem tido um papel fundamental em levar a música portuguesa, a nossa língua e o nome de Portugal além-fronteiras. Dia 16 de Agosto traz esse seu fado que a leva tão longe até a’O Sol da Caparica.

Mas não é só de música que é feito O Sol da Caparica e, como tal, a animação estende-se por todo o recinto, das mais variadíssimas formas.

O palco de dança recebe os maiores bailarinos nacionais numa programação cheia de interação com o público, o skate park DC Street Sessions, acessível a todos, conta com competições, aulas, e demonstrações de alguns dos mais consagrados skaters nacionais. A Monstra tem também, mais uma vez, um papel central n’O Sol da Caparica, sendo parte integrante do recinto com mais de 200 filmes de animação. Mas, nesta edição, traz novidades com a criação de uma aplicação que nos permite, através dos nossos telemóveis, ver em realidade aumentada as imagens do festival.

Outra das grandes apostas do festival continua a ser a arte urbana. Este ano é pelas mãos de Bordallo II que estreia uma das suas peças 3D de material reciclado feita exclusivamente para O Sol da Caparica.

Há algo que é incontornável e comum a todo o festival: a língua portuguesa, e o Debaixo da Língua representa isso mesmo. Trata-se de um livro de entrevistas a artistas nacionais, conduzidas por Rui Miguel Abreu, sobre o que a todos nos une: o português. Esta é já a 4ª edição do livro e conta com a participação de Jorge Palma, José Mário Branco, Sara Tavares, Slow J, entre tantos outros. O Anfiteatro ao ar livre existente dentro do recinto serve também de palco à nossa língua, com interpretações de alguns dos poemas mais emblemáticos do nosso espólio pelos Poetry Ensemble.

De 16 a 19 de Agosto, O Sol da Caparica celebra o que de melhor temos: a língua portuguesa e espera por todos para quatro dias de verão… inesquecíveis!

COMPRAR