“Margem” tem como inspiração o romance de 1937 de Jorge Amado, Capitães de Areia, que retrata um grupo de crianças e adolescentes abandonados que vivem nas ruas de São Salvador da Baía.

Roubam para comer e dormem num armazém mas, como uma família, protegem-se uns aos outros e vão enfrentando um dia de cada vez. A Vitor Hugo Pontes interessa saber quem são os novos Capitães de Areia, se houve mudança no paradigma social, e se houve, quais são. Numa ideia de teatro documental, e em colaboração com Joana Craveiro, este projeto será alicerçado num trabalho junto de jovens que foram privados do ensino, da alimentação, de carinho, de um pai, de uma mãe, jovens que partiram em défice ou que se viram em défice por razões que muitas vezes lhes são alheias. Dias 27 e 28 de janeiro no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

COMPRAR