Gregório Duvivier falou com a Ticketline Magazine sobre o regresso de ‘Portátil’, o espetáculo humorístico de improviso que sobe aos palcos do Teatro Tivoli BBVA, de 30 de junho a 2 de julho, e do Coliseu Porto, a 5 e 6 de julho. Nesta conversa, a não perder, a opinião sobre o caos político em que está mergulhado o Brasil…

Texto: Sofia Canelas de Castro

“Como é que os seus pais se conheceram?” A pergunta, inocente, vai dar para rir. Muito. Pode ser esta ou qualquer outra interrogação que o grupo de humorista que compõe o coletivo ‘Portátil’ venha a lançar ao público. E um qualquer espetador incauto será o protagonista de um espetáculo inteiro de improviso. A partir da resposta, os humoristas brasileiros Gregório Duvivier, Luis Lobianco e João Vicente de Castro – do grupo de comédia ‘Porta dos Fundos’ – Gustavo Miranda, Andres Giraldo e o português César Mourão começam a divagar. E prometem gargalhada geral.
“Não há um único espetáculo que não consigamos fazer uma história interessante…mesmo a partir da resposta mais louca”, garante Gregório Duvivier, um dos mentores do coletivo Porta dos Fundos, recentemente adquirido pela Viacom, a gigante proprietária do Paramount Channel, MTV e VH1. Fundado em 2012 por Gregório, Fábio Porchar, António Tabet e Ian SBF, este último realizador, a Porta dos Fundos tem sido um fenómeno de popularidade que cruzou fronteiras e, agora, amplia o potencial de internacionalização. Com a aquisição pela Viacom, o grupo expande os conteúdos para países de língua portuguesa e vê ainda o modelo da ‘Porta’ replicado noutras línguas, com outros atores. “Gosto desta ideia de a Porta exportar”, afirma o humorista. “É gratificante exportar o nosso modelo”.
Mesmo a crescer com passos de gigante, Gregório garante que o coletivo se mantém fiel à matriz original, que logo no primeiro semestre de YouTube lhes granjeou mais de 30 milhões de visualizações. “Continuamos a ser muito amigos e a ter muita vontade de trabalhar juntos”, garante Gregório. Por isso, encontram-se pelo menos uma vez por semana para definir a linha editorial dos vídeos e acertar textos e gravações.
Pelo meio, Greg – como é conhecido – ainda tem tempo para outros projetos e arrancou agora na HBO Brasil um oneman talk-show, que conta com o contributo de Ricardo Araújo Pereira na redação de alguns textos. Fã confesso dos Gato Fedorento, Gregório partilha semanalmente piadas por email com aquele que rotula de “o melhor humorista português” para integrar no seu ‘Greg News’ – programa que é uma sátira à atualidade, maioritariamente política, ou não fosse o seu apresentador um visceral quase-ativista-político.
“Claro que é mais importante sair para a rua em manifestações e gritar ‘Temer, fora já!”, admite, sobre as suspeições e o escândalo de corrupção que envolvem o presidente brasileiro Michel Temer e muitos membros do governo e que têm mergulhado o país num caos político. Mas, que ninguém pense que Gregório tem ambições políticas. “Os mais perigosos são os não-políticos”. Quanto a ele, uma certeza: “A minha missão? Eu sou humorista, gosto mesmo é de fazer rir”, salienta. Agora se a política é um terreno fértil para fazer piadas, porque não aproveitar?! “A política é um terreno minado de piadas e se fosse pelo humor, o Temer já estava na rua. Estamos há um ano a fazer piadas com ele e até agora nada…”, brinca.

MP3
As escolhas que tocam no MP3 de Gregório Duvivier.